Blog da Desgovernança

Para todo mundo que quiser ler mais sobre o que estamos tentando fazer.

A Mentira da "Governança da Internet" e sua Ilusão "Multi-stakeholder"

Por cerca de 15 anos os encontros de "Governança da Internet" tiveram muita atenção e levaram nossa imaginação no sentido de nos fazer acreditar que regras consensuais para a Internet podem surgir a partir de discussões globais "multi-stakeholder". Está se tornando óbvio que a "Governança da Internet" é uma maneira mentirosa de nos manter ocupados e esconder uma triste realidade: Nada de concreto nesses 15 anos, nem uma única ação sequer surgiu de reuniões "multi-stakeholder"; enquanto que ao mesmo tempo, a tecnologia em si tem sido usada contra os usuários da Internet como uma ferramenta de vigilância, controle e opressão.


Os cidadãos do mundo precisam pensar nos desafios críticos que vem pela frente: Acabar com a vigilância em massa, proteger as liberdades online de forma incondicional, garantir a Neutralidade da Rede, o acesso universal a Internet Livre… Nada disso foi abordado nessas discussões "multi-stakeholder" estéreis com listas fechadas de participantes, mas somente pelo contexto político adequado criado pelas redes descentralizadas de cidadãos organizados através de uma Internet Livre.


Por que nós esperaríamos por essas hyper-estruturas "multilaterais" funcionarem se elas não serviram para nada até agora?{3} Hoje já existe uma estrutura de manutenção coletiva da Internet: Nós, os cidadãos, nós todos somos donos da Internet, isso se nós considerarmos a Internet como a soma da Infraestrutura, sua tecnologia, e, o mais importante, a soma das atividades, os dados e o conteúdo que todos nós contribuímos para existir.Por que nós esperaríamos por essas hyper-estruturas "multilaterais" funcionarem se elas não serviram para nada até agora? Hoje já existe uma estrutura de manutenção coletiva da Internet: Nós, os cidadãos, nós todos somos donos da Internet, isso se nós considerarmos a Internet como a soma da Infraestrutura, sua tecnologia, e, o mais importante, a soma das atividades, os dados e o conteúdo que todos nós contribuímos para existir.


Nesse sentido, a Internet deve ser considerada um bem comum de todos.


Isto é exatamente o que precisamos exigir dos governos hoje, a partir das cinzas ainda quentes do cadáver do modelo "multilateral", esmagadas pelas botas das decisões unilaterais da NSA, do Google, do Facebook, da China, da Apple, da Rússia e de todos os outros que não esperaram um consenso para tomar medidas drásticas para alterar a forma como a tecnologia é usada para usá-la contra seus cidadãos.


Os governos precisam considerar a internet como um bem comum, e protegê-la da forma como ela é e de forma incondicional, como a mais preciosa reserva natural ou o ribeirão de águas mais cristalinas para beber. A partir daí nós devemos nos engajar no rico debate sobre a natureza da confiança que depositamos nos agentes públicos e privados que vão cuidar desse recurso. Que condições de transparência e de responsabilidade ( como o uso de software livre e a garantia do público poder verificá-lo) que exigimos em uma sociedade democrática para aqueles que são responsáveis por proteger nossas liberdades fundamentais e aqueles que controlam uma parte de nossa infra-estrutura comum?


Junte-se a nós em http://iuf.partidopirata.org, compartilhe por aí, e ativamente se some para desfazer a ilusão de "Governança na Internet multi-stakeholder".